Loading...

sexta-feira, 4 de setembro de 2015

Conferência Missionária - Assembléia de Deus Ministério Belém Campinas.

Não perca a conferência missionária! Dias 10 a 12 de setembro na igreja sede! O coral do enjadec participará na sexta-feira, dia 11, - partir das 19:30, e sábado, 12, a partir das 14:00 hs.
Participe, ore e  divulgue.



terça-feira, 26 de agosto de 2014

Marina Silva Presidente - "Não vamos desistir do Brasil"


Pesquisa Ibope divulgada nesta terça-feira (26) aponta Dilma Rousseff (PT) com 34% das intenções de voto para presidente da República e Marina Silva (PSB), com 29%. O candidato do PSDB, Aécio Neves, tem 19%, seguido de Pastor Everaldo (PSC) e Luciana Genro (PSOL), com 1% cada um. Os outros seis candidatos somados acumulam 1%.
O levantamento indica que, em um eventual segundo turno entre Dilma Rousseff e Marina Silva, a ex-senadora teria 45% e a atual presidente, que tenta a reeleição, 36%.
Encomendada pela TV Globo e pelo jornal "O Estado de S. Paulo", a pesquisa é a primeira do Ibope com Marina Silva como candidata do PSB.
No levantamento anterior do instituto, divulgado no último dia 7, o candidato do partido ainda era Eduardo Campos, que morreu em acidente aéreo no último 13. Naquela pesquisa, Dilma tinha 38%, Aécio, 23%, e Campos, 9%. Entre uma pesquisa e outra, a taxa de indecisos passou de 11% para 8%, e a de quem pretende votar em branco ou nulo, de 13% para 7%.
Confira abaixo os números na modalidade estimulada da pesquisa (em que o pesquisador apresenta ao entrevistado um cartão com os nomes de todos os candidatos):
Dilma Rousseff (PT): 34%
Marina Silva (PSB): 29%
Aécio Neves (PSDB): 19%
Luciana Genro (PSOL): 1%
Pastor Everaldo (PSC): 1%
José Maria (PSTU): 0%*
Eduardo Jorge (PV): 0%*
Rui Costa Pimenta (PCO): 0%*
Eymael (PSDC): 0%*
Levy Fidelix (PRTB): 0%*
Mauro Iasi (PCB): 0%*
- Brancos/nulos/nenhum: 7%
- Não sabe: 8%

terça-feira, 8 de outubro de 2013

Juiz quer abolir juramentos sobre a Bíblia:`As pessoas não levam isso a sério´

Testemunhas e réus fariam novo juramento, sem mencionar Deus.










Durante séculos, réus e testemunhas nos tribunais britânicos juravam dizer a verdade colocando uma das mãos sobre a Bíblia. Agora, os juízes da Inglaterra estão pedindo que as pessoas não façam mais esse tipo de juramento. O argumento é que na maioria das vezes as pessoas não levam isso a sério.

A principal alegação é que um novo juramento seria mais justo para todos, sem precisar envolver a religião e sem que os acusados esqueçam que podem ser presos caso mintam. Alguns líderes cristãos se manifestaram contrários. Eles lembram que membros de outras religiões têm a opção de fazer o juramento sem qualquer referência à Bíblia. Mesmo assim, essa mudança iria prejudicar ainda mais a herança cristã da Grã-Bretanha.


A decisão histórica será debatida este mês pela Associação dos Magistrados e, caso for aprovada, será enviada para o Ministério da Justiça.


Um dos principais defensores da mudança é Ian Abrahams, um magistrado da cidade de Bristol. Ele reconhece que parece drástico acabar com séculos de tradição envolvendo o juramento religioso. Durante entrevista, ele explicou: “Cada vez mais vejo as pessoas encolhendo os ombros quando pedimos para colocar a mão sobre a Bíblia. Outras testemunhas acham errado jurar sobre um livro sagrado, e podem optar por fazer uma simples afirmação… As pessoas precisam apenas demonstrar que entendem que poderão ir para a cadeia se não disserem a verdade”.


Abrahams conta que foi criado na fé judaica, mas hoje se considera um ateu. “Nosso movimento pretende apenas abolir comentários sobre a religião no tribunal, mas não é algo antirreligioso”, justifica.


O bispo Michael Nazir-Ali, da Igreja Anglicana, religião oficial da Inglaterra, lamenta: “Isso é uma prova da crescente secularização da sociedade. Onde isso vai acabar? A Bíblia está ligada à Constituição, às instituições e à história deste país… Estamos sendo obrigados, em nome da tolerância e da secularização, abrir mão disso”.


Arun Arora, diretor de comunicações da Igreja da Inglaterra, acrescentou: “Levando em conta o último censo, que mostrou quase 60% dos cidadãos se identificando como cristãos, esta proposta parece ignorar a realidade de que continuamos a ser um povo de fé”.


John Glen, representando do primeiro-ministro em Salisbury e juiz aposentado, foi enfático: “Isso cheira a outra ideia louca em nome do politicamente correto”.


Durante centenas de anos, as testemunhas diziam nos tribunais, enquanto colocavam a mão sobre a Bíblia: “Juro por Deus Todo-Poderoso que irei dizer a verdade, toda a verdade e nada além da verdade”. Posteriormente, seguidores de outras religiões podiam optar por fazer juramentos com outros livros sagrados. Os muçulmanos juram sobre o Alcorão e os judeus sobre a Torá, por exemplo. Já existia a opção de as pessoas dizerem ‘solenemente e verdadeiramente’ apenas o que viram, sabendo das consequências legais caso mentissem.


A proposta de Abrahams e seu grupo é que se diga apenas: “Prometo sinceramente dizer a verdade, toda a verdade e nada mais que a verdade. Entendo que se eu não fizer isso estarei cometendo um delito pelo qual posso ser punido e enviado para a prisão”.

Fonte: Gospel Prime

quinta-feira, 20 de junho de 2013

Hollywood está usando Jesus para promover o filme do superhomem.



Assuntos cristãos são abertamente introduzidos nas imagens, diálogo e enredo do filme




Marqueteiros de “O Homem de Aço,” o mais recente filme do Super-Homem de Hollywood, estão mirando de forma decisiva os cristãos ao oferecer aos líderes de igrejas exibições gratuitas do filme bem como uma pregação preparada que frisa os assuntos religiosos do filme.

A pregação escrita, com o título de “Jesus: O Super-Herói Original,” tem nove páginas e recomenda que os pastores mostrem o trailer do filme “O Homem de Aço” durante a pregação do culto de domingo, noticiou a CNN na sexta-feira.

“Como é que a estória do Super-Homem poderia despertar nossa paixão pelo maior herói que já viveu, morreu e ressuscitou?” a pregação escrita pergunta.

O Homem de Aço” estreou nos cinemas americanos na sexta-feira e rendeu a enorme quantia de 125 milhões de dólares durante o final de semana, quebrando o recorde da maior estreia que já ocorreu num mês de junho.

O ângulo marqueteiro do filme, em que dá para substituir Jesus Cristo por Clark Kent, foi algo que já estava planejado. Assuntos cristãos são abertamente introduzidos nas imagens, diálogo e enredo do filme.

O Super-Homem é enviado à Terra, vindo do planeta Kryptonita, por seus pais, que predizem que “ele será um deus” para os habitantes da Terra.

Ele é então criado por pais substitutos e na idade de 33 anos, ele deve se sacrificar para salvar a raça humana. Jesus Cristo tinha 33 anos quando foi crucificado.

Numa cena do filme, Clark Kent busca conselho de um padre e no cenário de fundo, há uma grande pintura de Jesus, dando aos espectadores uma comparação deles lado a lado.

Em outra cena, o Super-Homem pula do navio do General Zod e paira no céu com os braços esticados como um crucifixo.

“O que Jesus e o Super-Homem nos dão, por meio de suas ações de ‘heróis,’ mas também suas ações ‘humanas’ — é esperança,” diz a pregação escrita dos marqueteiros do filme.

Quentin Scott, um pastor da cidade de Baltimore, disse para a CNN que ele assistiu à exibição gratuita do filme, depois de receber o material de marketing.

“Quando me sentei e assisti ao filme, o que de fato vi foi a historia de Jesus, e o amor de Deus introduzido na história,” disse ele, acrescentando que ele ficou emocionado de usar o filme numa pregação na igreja.

“Se me derem outra oportunidade de falar de Jesus Cristo para alguém, e eu puder fazer isso por causa desse filme, isso é vitória, pois o foco é espalhar o Evangelho,” acrescentou ele.

A estratégia está tendo como alvo igrejas que incorporam mídias em suas pregações.

Alguns pastores estão furiosos com a possibilidade de um filme do Super-Homem tirando proveito do Cristianismo.

“Qualquer pastor que ache que usar os ‘Recursos Ministeriais do Homem de Aço’ é uma boa estratégia para o culto de domingo não tem ideia dos riscos elevados ou tem pouca confiança no poder da Palavra de Deus e do Espírito de Deus,” P.J. Wenzel, díacono da Igreja Batista de Dublin em Ohio, disse para a CNN.


Fonte: Daily Mail / Tradução Blog Julio Severo

segunda-feira, 17 de junho de 2013

Pessoas nascidas entre 1945 e 1965 devem fazer o exame que detecta a hepatite C


O teste está disponível na rede pública.







Nascidos entre 1945 e 1965 devem procurar uma unidade básica de saúde (postos ou Clínicas da Família) e fazer um teste de hepatite C. O alerta, dado no Brasil pela Associação Brasileira dos Portadores de Hepatite (ABPH), foi lançado nos Estados Unidos após a constatação de que essas pessoas têm cinco vezes mais riscos de estarem contaminadas.
A explicação é que tal geração cresceu numa época em que eram comuns o uso de seringas de vidro e transfusões de sangue não testados para a hepatite C, só descoberta em 1989.
Segundo o hepatologista Giovanni Faria Silva, da Universidade Estadual Paulista, a testagem é necessária porque a doença não apresenta sintomas em 95% dos casos, sendo comum o diagnóstico já em estágio avançado.
"Depois de 20 anos, a infecção evolui para cirrose em 25% dos pacientes, tudo de forma assintomática. A cirrose provoca a falência do fígado e, se não tratada, leva à morte", diz o médico.
O teste de hepatite C é feito por meio de exame de sangue, que detecta a presença de anticorpos contra o vírus no organismo. Caso dê positivo, um outro exame, que analisa o material genético do vírus, é feito. Mais um positivo aponta a necessidade de biópsia do fígado para indicação de tratamento.
O publicitário e presidente da ABPH, Humberto Silva, de 48 anos, conta que viveu 38 anos com a hepatite C sem saber. Há dez anos, ele foi ao médico, que solicitou o exame de sangue específico.
"Eu já estava com cirrose hepática. Descobri assim, em cima da hora. Se não fosse isso, estaria morto. Deus mandou um anjo para me anunciar a doença", conta Humberto, que contraiu o vírus aos 8 anos, quando se submeteu a uma cirurgia de apendicite. "Recebi sangue contaminado".
"Sou um sobrevivente da hepatite C. Cerca de 80% dos casos têm cura completa".
Ele alerta para a importância de se fazer o teste de hepatite C:
"Quanto mais cedo vier o diagnóstico, mais fácil é a cura. A pessoa pode estar morrendo sem saber, como eu estava. Estima-se que 3 milhões de pessoas tenham hepatite C, mas só 12 mil sabem e estão sendo tratadas".
Fonte: Jornal Extra

quinta-feira, 13 de junho de 2013

Atividade ministerial não caracteriza vínculo de emprego.

Para o Tribunal Regional do Trabalho, o exercício de função religiosa, não caracteriza o vínculo empregaticio.







O Tribunal Regional do Trabalho não reconheceu o pedido de vínculo de emprego de religioso com a igreja.

Por unanimidade, a Primeira Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região manteve sentença do Juízo da Vara do Trabalho de Rio Brilhante que não reconheceu o pedido de vínculo de emprego de religioso com a Igreja Missionária Jerusalém do Avivamento.

O religioso alegou em recurso que havia subordinação financeira consistente no cumprimento de metas de arrecadação pela igreja, que com o cunho produtivo estaria nivelada a uma empresa com fins econômico-lucrativos. Declarou que exercia trabalho voluntariamente e de forma independente e que a ele cabia à administração da igreja, não estando sujeito contudo à fiscalização ou ingerência dessa atividade.

Segundo o relator do processo, juiz convocado Júlio César Bebber, o exercício de função religiosa, ainda que com atribuições de gerência voluntariamente assumidas, não caracteriza o vínculo de emprego.

"Nem tampouco a percepção de rendimento eclesiástico o faz, pois não constitui salário, mas mero auxílio para a subsistência própria e dos familiares do religioso, possibilitando-lhe maior dedicação ao seu ofício", expôs o juiz Júlio Bebber.
Dessa forma, não há como reconhecer o vínculo de emprego, afirmou o relator. "Também não há como deferir o pedido (eventual) de indenização pela não jubilação, uma vez que essa obrigação não possui base legal ou contratual, de modo que nenhum ilícito fora praticado".

Proc. N. 0001092-57.2011.5.24.0091-RO.1

Fonte: Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região